5 de novembro de 2011

Magnetismo

Outro dia, em uma palestra na "fratê", ouvi discursar sobre o que seria a força magnética na comunicação com as  células, por Carlos Lyrio - muito bom! - como sempre tento ser racional nos assuntos metafísicos na sua relação com a física com o que escrevo abaixo:

... mais um pouco e começo a falar de super poderes - brincadeirinha!

O que seria isso?

Pelo que entendi, será a base para a cura (!!) ou para o milagre (!!).

Foi feito um paralelismo entre o que seria o "tratamento analógico" e a "cura magnética" e onde se fez uma aproximação aos medicamentos alopáticos na sua componente agressiva e contemporânea.

O primeiro seria o tratamento como o conhecemos hoje - medicina alopática - onde, entre benefícios e efeitos secundários, se gera um desgaste físico, ou mesmo sofrimento o que não deixa de "ironicamente" eficaz. O que é próprio da nossa era e/ou, das nossas crenças: o sofrimento nos levará à cura!

Abordou-se que, o sofrimento em si faz nascer na pessoa confiança e, que assim, se resolvem "as coisas" com uma força que vem de dentro, a cura será algo que vem da alma em última instância e não tanto da química usada.

(...)

Todos se questionam como se processa o milagre do rompimento com algo extremamente denso como a doença instalada no seu sentido mais amplo.

É preciso entender o conceito de sutil e de denso - o que fazer em um e em outro caso - que não vai dar para falar hoje

Seguindo para o segundo ponto, resposta está nessa força magnética que alguém tem capacidade de usar sobre si, ou sobre o outro independentemente da sua vontade. É uma verdadeira comunicação com o corpo sutil e com os sistemas celulares densos for intermédio de forças - aparentemente imperceptíveis - magnéticas!


O importante desde conceito em desenvolvimento é entender de onde vem esta força que mora dentro de todos nós. Se temos como adquirido que todos nós somos Deus e que essa grande força colectiva está no nosso mais intimo interior, essa força regenerativa é a mais pura revelação de Deus!